RESGATAMOS NOSSA HISTÓRIA

copa_brasil

Por Daniel Resende*, especialmente para o Terreirão.

A massa alvinegra vive, mais do que nunca, seus anos de ouro. Don Corleone já dizia que o importante é sempre fazer bons negócios e assim segue o matrimônio entre o esquadrão alvinegro e torcida mais fanática do país. Não importa onde, não importa quando, nem quantos. Pode ser o exército de um homem só nas arquibancadas. Esse único louco atleticano calará a multidão do outro lado, pois o grito preto-e-branco é mais alto, assim como a raça de quem defende essa camisa se torna soberana sobre a técnica.

Quem me dera fossem todos os títulos inéditos. Eu e, com certeza, tantos outros milhões, comemoramos como se não houvesse o amanhã. Tem gente na Praça 7 até agora achando que ainda é dia 26 de novembro. E daí? Para quem viveu o que vivemos na últimas semanas, uma simples confusão com o calendário não é nada. A verdade é que o atleticano merece tudo que vêm conquistando e muito mais. Não há justiça maior do que essas vitórias acachapantes contra nossos três maiores rivais: Flamengo, CEC e Corinthians. Agora, tudo está em seu devido lugar.

Precisamos lembrar ainda que, não fosse um erro grotesco de arbitragem na final do Campeonato Mineiro deste ano, nos juntaríamos a Cruzeiro, Paysandu, Sampaio Correa, Santos, Flamengo, São Paulo, Palmeiras e Grêmio na conquista da “tríplice coroa genérica”. Obviamente não comemoraríamos conquista tão tosca, ao contrário de alguns por aí que acreditam verdadeiramente que tal façanha os coloque no mesmo patamar de um Bayern da vida. É triste saber disso, em plena era da informação.

Certa vez, Ayrton Senna deu uma declaração reflexiva: “o dia que chegar, chegou. Pode ser hoje ou daqui a 50 anos. A única coisa certa e que ela vai chegar”. Nessa frase, Senna se referia à morte. Contudo, para o Galo, esse trecho se remete à vida, à glória. Nossos dias chegaram com justiça e merecimento. Não mais dependemos da sorte, pois temos competência de sobra. Nunca deixamos a prepotência tomar conta de nossos corpos, pois somos filhos do “eu acredito”. Foi assim, com humildade, garra e confiança, que chegamos até aqui.

Serei eternamente grato à esses jogadores, por terem encarnado a alma atleticana e defendido nossas cores verdadeiramente. Com os olhos suados, não me resta muito mais a dizer.

Somos campeões. Saudações!

*Daniel Resende é jornalista no interior mineiro. Assim como tantos milhões, tem o Galo como sua maior paixão. Siga no twitter: @danielmresende

Write a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *